O grande momento de minha vida sexual foi a primeira vez anal de minha namorada

1 visualizações  Enviar por email   Imprimir
1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (3 votos, média: 2,67 de 5)


Eu já havia feito sexo anal antes (com uma namorada para quem o coito vaginal era desconfortável e que preferia o sexo anal), mas foi a iniciação anal de uma outra namorada que realmente se destaca em minha memória. Sempre que eu podia eu usava o dedo em seu cuzinho, enquanto fazia sexo oral nela ou quando transávamos. Ela parecia gostar, mas ainda me surpreendo como aceito rapidamente quando eu sugeri tentar o sexo anal.

Ela pegou um frasco de creme hidratante para usar como lubrificante (que por sinal, não é recomendado, mas não havia nada melhor disponível mas pelo menos não fez mal). Eu comecei a chupá-la, pensando que um orgasmo poderia ajudá-la a relaxar, mas ela já estava excitada com a ideia e se virou, me oferecendo de presente sua bundinha. Eu lubrifiquei seu ânus, depois coloquei um dedo, depois dois, até aí nada de novo para nós.

Passei então um pouco de hidratante em meu pau e coloquei a cabecinha na entrada do cuzinho. Movi meu corpo para cima dela e o pau entrou com facilidade. Ela deu um gritinho, mas não foi de dor e sim de prazer. Eu retirei bem devagarzinho o pau de dentro e depois voltei a colocar. “Ai meu deus”, ela suspirou, empurrando sua bunda em direção a meu corpo. Havíamos começado com ela de quatro, e eu de joelho atrás, mas gradualmente acabamos ficando os dois de joelhos mas levantados, nos movendo em sincronia. Com um braço a envolvi e apertei seus peitos com minhas mãos.

Os mamilos estavam mais duros do que eu jamais havia visto. Com minha outra mão eu comecei a brincar com a bocetinha dela. Eu mal conseguia acreditar no grau de excitação dela. O clitóris estava mais inchado do que eu jamais havia visto, duro e apontando para fora como se fosse um pequeno pênis. Molhei meus dedos na bocetinha dela e com o dedão e dedo indicador comecei a “tocar uma” nela, como se estivesse masturbando um pau. Ela sempre teve orgasmos múltiplos, mas nunca tinha sentido ela gozar tão forte como naquele dia. Quando eu gozei, senti o esfíncter se contraindo ao redor de meu pau.

Caindo colapsados na cama, totalmente sem fôlego, ficamos agarradinhos. Eu me sentia derreter dentro dela. Ela disse que se sentia totalmente preenchida com meu pau na sua bunda e nós gostamos tanto desta primeira experiência que combinamos fazer anal em nosso próximo encontro. Infelizmente, a nova performance não foi nem de perto tão mágica como a primeira vez. Nunca mais tentamos o sexo anal e depois de um tempo terminamos o namoro (por outras razões), mas eu ainda me lembro desta iniciação anal como um dos grande momentos de minha vida sexual.

Deixe seu comentário

Captcha Captcha Reload


Você poderá gostar de:


Sexo anal e o ponto G

Um sonho e uma vingança na primeira vez anal

Garganta profunda com o namorado

Sexo anal de surpresa, sexo anal doloroso